Circovírus é um inimigo silencioso e que afeta muitas granjas, gerando prejuízo aos produtores. O diagnóstico e tratamento sempre devem ser realizados por um médico veterinário, porém, existem os sinais de alerta, que ao serem observados e tratados de forma rápida e precisa, podem diminuir os prejuízos.

O sinal clínico mais comum é sistêmico, quando após o desmame ocorre grande perda de peso, retardo no crescimento e dificuldades respiratórias, principalmente em animais com idade entre 8 e 18 semanas.
O que também pode ocorrer são lesões na pele dos animais, hemorrágicas ou necrosantes.

E sinais menos específicos, mas que devem também contar como alerta e ser consultado um médico veterinário são diarreia, palidez e icterícia (mucosas amarelas).

A mortalidade devido ao PCV2 pode se aproximar de 20%, além de retardar o crescimento e o tempo necessário para os animais atingirem o ponto de abate.

A vacinação contra o PCV2 foi uma revolução na suinocultura mundial, diminuindo o seu impacto nas granjas. Porém, por ser uma doença multifatorial, é fundamental que os produtores de suínos, veterinários e técnicos conheçam e apliquem as técnicas necessárias para controle e identificação da doença. Seguir os três critérios para o diagnóstico do PCV2 é um grande passo para promover a sanidade das granjas.